segunda-feira, abril 04, 2005

O começo

Então, tudo comecou num dia normal, quer dizer, quase normal. A única coisa diferente era que eu "apenas" iria me mudar para a Terra do Sol Nascente, e dentro de algumas horas a vida estável e confortável (porém não fácil, os seguidos fracassos na maldita prova do vestibular me incomodavam um pouco...) seria trocada por algo que eu ainda não sabia direito o que era. Provavelmente esta mudança deveria me deixar em pânico ou assustado ou mais triste do que feliz, mas o que importa é que a ficha ainda não tinha caído, e eu ainda tenho minhas dúvidas se ela caiu, uma vez que hoje quando fui configurar meu novo computador eu tive que colocar "moro no Japão" mas ainda me soava estranho. Vai entender?
Retornando ao tema, eu gostaria de agradecer a todos que foram às minhas despedidas, um agradecimento especial a quem pode ir no aeroporto, foi uma experiência muito bacana. Há pouco tempo eu que estava no aeroporto vendo amigos meus partindo em intercâmbio, desta vez eu iria conhecer o outro lado.
Cheguei ao Aeroporto Internacional de Brasília duas horas antes do vôo como me foi informado pelo pessoal da Ômega Turismo. Não me espantou o fato de eu ser um dos primeiros a chegar. Comigo vieram alguns amigos e logo chegaram outros, transformando o aeroporto numa grande roda de conversa. Cara, é realmente interessante como você vê as pessoas diferente nos momentos antes do que se chamam de "despedida". O pessoal do GEMA (muitos dos meus melhores amigos) me deu a grande satisfação de se fazer ouivir no aeroporto os gritos de Tropa e de Patrulha que hoje já me parecem tão distantes, porém ainda guardados num lugar especial. Mas vamos deixar esta parte de lado que é a parte que muitos ainda viram.
Na sala de espera do vôo para São Paulo a equipe de monbusheiros estava mais uma vez junta: Eu, Diogo, Josafá, Viviane, Daniel, Sandro, Alexsandr, Aline e Rafael. Ainda estávamos olhando um para a cara do outro tentando descobrir no que estávamos nos enfiando. Voamos para Sampa, onde nos deslocamos direto para o "singelo" balcão da JAL. Nesta hora começou a diversão: como tínhamos combinado com um pessoal de Sampa, principalmente com o Claus, todos os bolsistas deveriam estar com um chapéu de aniversário para fácil identificação. O pessoal que estava no aeroporto ainda tentava entender o que estava acontecendo enquanto pessoas de chapéu de aniversário começavam a se encontrar... Foi um bom passatempo enquanto esperávamos na fila, até que uma alma piedosa resolveu abrir o balcão "check-in sem bagagem", que, por sinal, era nosso caso. Furamos uns 50 minutos de fila, hehehe, começamos como bons brasileiros já!
Em seguida, fomos comer nossa última refeição em solo tupiniquim: McDonnalds. Okay, eu sei, não é uma refeição nem saudável nem brasileira nem barata nem porra nenhuma, salvo que é prático e que tinha guaraná. Porém quando chegou a hora de fazer o pedido a máquina tava quebrada. "Pô tia, tem CERTEZA que não tem nenhum guaraná aí? É minha última refeição no Brasil...". Dá pra imagina a resposta né? Do jeito que eu sou azarado, nada de guareba. Rolou uma breve ligação para casa só para dizer "sim, eu estou bem, estou indo pro Japão, não, ainda não mudei de idéia". Check-in, passar pelo balcão da PF e então entrar no lobby para um chá de fila. Neste momento fomos conferir os lugares. Somente eu e o Diogo estávamos no upperdeck do avião (andar de cima, avião chique tem dois andares né?), o que fez ele quase me espancar por ter seguido meu conselho. Poutz, essa foi complicada, mas beleza, dá pra andar dentro do avião. Mas foi xarope ficar escutando "pô, tinha que seguir teu conselho né? agora vamo ficar longe de geral..." até a hora de embarcar. Falando nisso, enquanto estávamos na fila o telefone público que estava do nosso lado na fila começou a tocar. Vai nosso amigo Claus atenter e gentilmente procurar uma desconhecida no meio da fila. Hehehe, essa cena foi memorável: "oi, você é a *****? não? desculpe" e "ow, quem é a ******? tem telefone pra você!". Incrivelmente ele conseguiu achar a tia, a cara dela que estava engraçada. Ganhamos um pin dos bolsistas cedido pelo pessoal de sampa, foi mal aê Fábio, se eu soubesse que vocês iam mandar fazer eu entrava no racha também. De qualquer modo, obrigado pessoal de Sampa, o pin continua na minha mochila!
Entramos no avião, eu ainda com a xaropagem no meu ouvido, até a hora que descobrimos que o nosso lugar ficava do lado da saída de emergência, ou seja, existia mais ou menos 1,5 metro de espaço LIVRE para nós. Nesta hora a xaropagem mudou de lado: "aaahn... desce lá e pede pra trocar com alguém então...". Guardem este episódio, parece que nós temos uma certa sorte com lugares ao acaso... O vôo foi bem tranquilo, a tripulação era de maioria brasileira, e uma japa que tinha lá falava português fluente, além de ser gata e gente boa. Deu cerva e salgadinhos extra pro pessoal que vinha visitar nós no "upperdeck monbushou hall".

10 comentários:

Anônimo disse...

Esse é o meu irmãozinho lindo!!! Ri DEMAIS com as aventuras, espero a continuação!!!
Mas o melhor foi a explicação do título!!! Pensa na pessoa passando MAAAAAAAAAAL na cadeira!!! Ahauhuahuahua!

Saudades viu... Foi mt mt mt bom falar com vc ontem!

Beijos da Alê!

LAly disse...

Amarelinha!!! HUihauiahuIAH Juro q eu num sabia q kenpaa era amarelinha!! XD
Ah, eu também fui na janela de emergência do upperdeck. Fala sério, isso salvou minha vida na ida, em compensação, na volta, voltei como uma reles mortal num lugar qq do corredor lá em baixo ¬¬.

BJokas!!!!

Isabel =] disse...

Aee tudo começa do começo neh heuehuehueh caracas q horrivel.. mas enfim..to esperando pra ler todas as historias do q tu tem passado ae! ;)
Divirta-se hehe!
Bjoos =***

Krol disse...

Biiiiiiiiill, mal posso esperar para ler o proximo capitulo dessa aventura! Q ideia otima a d fazer um blog, quem sabe assim as saudades naum diminuem um poukinho ne?! Mandarei as msgs sem acento para naum haver nenhum problema para ler...
Vc faz falta garotinho....mta! espero q as coisas estejam dando certo por ai!
Um bjo enorme! =*

PKF! disse...

só pra constar, eu tenho meu PC com sistema todo em português. Aqui dá pra me mandar com qualquer símbolo, só no celular que é sem acentos =D

mas valeu igual pela intenção!

Diogo Souza disse...

Valeu por ensinar a todos o significado do meu nome aqui no Japao, Kempaa! Espero que todos me chamem de Hemorróida quando eu voltar =]

Pô... se os nossos lugares no upper deck nao fossem do lado da saida de emergencia seria uma merda! Foi muita sorte... Temos q lembrar disso para nossas futuras viagens. (recomendo a todos q forem nos vizitar tambem ^^)

E valeu por criar esse blog~ vou passar para a galera! =P

Hemorróida

Diogo Souza disse...

P.S.

"recomendo a todos q forem nos vizitar tambem"

erros como esse de "viZitar" ocorrem quando voce esta a meses em outro país.

Haverão outros, aguardem!

Hemorróida

Diogo Souza disse...

...quando voce esta (H)a meses em outro país.


...

Diogo Souza disse...

Ah! esqueci de comentar que nao ter guarana no mcdonalds de SP foi realmente palha!! >_<

Diogo disse...

Caramba, eu falava "palha" ....