quinta-feira, abril 07, 2005

Um novo mundo

Caramba, dormir com um futon é muito bom. O triste é você acordar com seu telefone tocando. Sim, meu primeiro dia no Japão e meu telefone do quarto começa a tocar. Mas como eu tava dormindo eu nem pensei direito, atendi direto:
-Alô, whoops... Hi.
-Porra muleque, acorda ae, vamo dar uma andada, procurar alguma coisa pra comer?
-Ah, é tu, Diogo. Bele, dá um tempo pra eu trocar de roupa e vamos.
Nossa agenda somente indicava que tínhamos coisa pra fazer de tarde, fazer nosso registro de Alien na Prefeitura de Suita (Suita é uma cidade dentro de Osaka, tipo São Paulo, onde rolou uma conurbação muito forte e tem altas cidades dentro). Com tempo resolvemos andar pelas proximidades. Com um proto-mapa dado para nós das utilidades das redondezas, fomos atrás de um mercado e de uma Combini ("combini" é a abreviação de "combiniense sutoa" em japenglish- ou "convinience store" em inglês, são as lojas que funcionam 24H, e tem quase tudo dentro).
Andando no meio das quadras residenciais achamos umas coisas interessantes: um Honda S2000, uma M3 e um carro muito engraçado com o nome de Capuccino, é um esportivo compacto. COMPACTO! No caminho podemos apreciar a arquitetura nipônica. É um tanto quanto diferente, e a estrutura de "cidade" diferente da estrutura "Brasília" foi outra coisa que chamou atenção. Chegamos até o mercado mais próximo, o Peacock, achamos do lado uma loja de 100yen (hyaku en), fomos até o Lawson (uma combini), acabamos comprando um obentô pra comer e café nas vending machines. Obentô é a comida pronta, tem bastante aqui, e geralmente é boa. As vending machines tem mais que pivete no Brasil. Vendem de tudo, e quando eu digo de tudo é DE TUDO MESMO! Ainda não descobri metade das vending machines, mas aos poucos vou colocando updates. Voltamos pro dormitório para ir de galera pra prefeitura.
No lobby, enquanto esperávamos o nosso guia chegar, fomos conhecendo alguns bolsistas: Damien, um cara bacana que veio de Côte d'Ivoire e a Crystal, uma americana. Pegamos o metrô, descemos na parada "Suita" e seguimos para o prédio. Lá fizemos o nosso "Alien Registration Card" ou como é conhecido popularmente entre os gringos "Carteirinha de Extra-terrestre". Mas a carteirinha só ficava pronta em 1 mês. Depois foi a vez do "National Health Insurance", que por sinal é um dos melhores negócios que tem por aqui: você paga 2000yen por mês se não me engano e ganha um desconto monstro em despesas hospitalares (algo em torno de 70%). Acabando isso, ao voltarmos para a nossa estação, "Minami Senri", o cara que tava guiando foi brother e pagou um sorva pra geral. O foda é que eu acabei rodando e pegando o sorvete de chá. Sim, sorvete de chá verde, e o gosto é IGUAL ao do chá, não é doce nem merda nenhuma. Parece que você tá comendo o chá, só que congelado. Não que eu não goste de chá, eu até gosto dos chás aqui do Japão, mas é triste você comer um sorvete que não é doce e... ah, vocês entendem. Visitamos o Oasis de novo, comprei um hashi pra mim e pão de torrada para tentar evoluir as nossas refeições aqui.
O retorno para o dormitório é através de um parque, que logo nesta época que nós chegamos estava repleto de cerejeiras em flor. É muito bonito mesmo, sem palavras pra explicar o que é a época das Sakuras (flor de cerejeira). Chegando em casa, reunião dos três brazucas de novo (eu, Diogo e Chuba - novo apelido do Chubert). Como sempre, nós estavamos fazendo barulho, de repente aparece uma japa e põe a cabeça na porta do quarto que estávamos:
-Tinha que ser brasileiro...
-Opa, brazuca?
-Sim! Mariana, e vocês?
Acabamos conhecendo a pessoa mais próxima de Senpai que chegamos a ter, ela morava no quarto na frente do Chuba e já foi passando as dicas pra nós. Senpai é o veterano que te dá uma ajuda, geralmente é do seu país e que já tá aqui há um tempo. Depois de um bom tempo conversando, resolvemos dormir que teriam mais eventos no dia seguinte.

3 comentários:

bernadete disse...

meu, muito legal a iniciativa do blog. dá a idéia de uma proximidade grande, ainda q tu esteja aí do oooooooooutro lado do mundo!
fiquei impressionada com os detalhes de tudo q tu viu(e escreveu), eu jamais escreveria um texto tão completinho! heheheh
espero q as coisas estejam bem contigo, que tu esteja aproveitando bem essa experiência e tal!
um abraço!

Diogo Souza disse...

Nesse dia achamos uns carros realmente compactos... Um deles era um "jeep" que nao chegava nem na altura dos ombros do Paulo heheh Só não ganha da moto que vimos outro dia que eh mais ou menos da altura do joelho do paulo! To falando serio, tenho foto de ambos!

Alê disse...

lendo essas coisas eu fico me perguntando que diabo tô fazendo em Brasília... é como eu e o Bruno (blz) sempre dizemos, japa é um povo que se diverte =P

beijos!