quinta-feira, junho 16, 2005

16 - MIB de novo!

Acabou que para acordar foi uma bosta também... Acordar às 6:30 foi fácil, o difícil foi se manter acordado. Fiquei naquela lengalenga de acorda/dorme até umas 7:10 quando tomei vergonha e acordei o Diogo via telefone (cara, esse lance de telefone/interfone é muito útil!)
A aula rendeu nomal. Como sempre, intervalo do almoço rola um Wartran pra relaxar. Hehehe, estamos ficando melhor, mas com uma ficha apenas passar da 3ª fase já tá complicado, quanto mais sobreviver na 4ª. Acertamos que no dia que sair a bolsa (provavelmente dia 20) vamos jogar 5 fichas pra ver até onde vamos. O resto da aula também di boa, acho que o japonês tá evoluindo, ou meu nível de abstração atingiu um ponto tão grande que eu consigo simular que estou entendendo coisas... Naah, acho que tá evoluindo mesmo!
Fim da aula, fui com o Leonardo (vulgo Corvo), dar um rolé em DenDenTown. Primeira parada foi um gunshop de armas de airsoft. Tudo começou com CS, depois veio o Wartran e talvez a próxima evolução vai ser o Airsoft. Muita coisa doida por lá, tem literalmente de tudo! Falta só achar onde jogar, mas na falta de opção rola de jogar de noite no dormitório contra os vigias do Office. Em seguida fomos para uma loja de pc, a mesma que o Chuba comprou o pc dele e do mesmo grupo que eu comprei o meu. Putz, os japas daquela loja são realmente pouco cooperativos. Arrego! No final das contas conseguimos mais da metade das infos que queríamos, de certa forma é uma vitória.
Rumo à estação, paramos num McDonnalds e depois numa loja de DVDs. Primeiro andar era mais para jogos, segundo andar para DVDs de filmes, muitos títulos interessantes que eu já vi ou que eu queria ver, e não tão caros assim. Em breve vou passar lá com mais grana, que este período de fim de mês financeiro é trash. Terceiro tinha muita coisa de anime e séries japonesas, inclusive DVDs do jáspion e do black kamen raider! O triste é que cada um estava por volta de 8000 ienes e parecia muito home-made. Quarto e quinto andar só putaria. Sim, pornografia MESMO... Esses japas são meio seqüelados, tu andando pela seção e rolando altos vídeos pornôs, detalhe que o andar de baixo é a seção de animes. Mas beleza, nada contra, tava até divertido, a pornografia japonesa é, de certa forma, engraçada. Diferente da americana e da brasileira com certeza, tem suas particularidades. Quem vier ao Japão, não deixe de conhecer as lojas de pornografia e seus vídeos!
Chegando no bagaço em casa, e dividindo um minigame do megaman que o colombiano havia comprado há pouco na DenDenTown, quem disse que tive pilha de ir no Let's Talk In Japanese? Acho que faz 1 mês que eu não vou (4 dias, tecnicamente). Acho que semana que vem eu tomo vergonha na cara e vou. Mas hoje foi proveitoso para adiantar o Need for Speed.
Mais à noite rolou uma conversa com o Corvo e o Damien sobre uns lances de religião. Conversa meio louca, diga-se de passagem, uma vez que o colombiano é, creio eu, ateu, eu não levo muito a sério as palas de igreja e o Damien é um cristão com bastante conhecimento de Voodoo e outras coisas místicas vindas da África. Duas pessoas com uma visão racional do mundo conversando com uma pessoa religiosa, mas ambos os lados respeitando a visão do outro é, no mínimo, interessante. Se continuar nesse ritmo eu e o colômbia viramos crentes, e o Damien, ateu...
Fim do "papo-cabeça", parei no meu quarto, com os arquivos que eu havia acabado de receber do Brunório e refiz o MIB. Cara, aquele vídeo é demais! Queria agradecer aos lekes que ajudaram, Leo Dib (Ramirez!), Vinnicius (Nopa!), Bruno (Brunório!), Pedro Malta ("Seu Preto"!) e às meninas que ajudaram, Leila e Laly e a qualquer outra pessoa que tenha ajudado que no momento eu não lembro. Valeu mesmo, aquele vídeo me traz boas lembranças, e é muito comédia! Espero podermos fazer outro depois!
Acabei dormindo 1:30 com sempre, agora está ficando mais fácil de se manter acordado até tarde.

quarta-feira, junho 15, 2005

15 - Teste do Exame de Proficiência

Chapei com tanta força que acabei não acordando. Na verdade eu acordei às 6:30 como todo dia, pra morgar até às 7:00, mas a cabeça só conseguia acordar pra desligar o snooze do celular. O problema é que o snooze vai até 20 min depois apenas, e acabei acordando na pala 7:30. Acordei tarde, mas por sinal não fui o único. Liguei pro Diogo e acabei acordando a peça:
-Leke, massa? Acordou agora também?
-É, que horas são?
-7:30, vamo tomar café?
-Dá não, tá tarde.
De fato, eu não tinha pensado ainda no fator "colégio". Tá que eu tenho folga suficiente pra chegar lá, dá pra sair umas 8:00 de casa que consegue chegar em tempo, mas como eu ainda tinha que fazer o kakitori da aula de LL resolvi tocar logo e manter a marca de sair de casa 7:45 todo dia. O "café da manhã" foi um pacote de biscoito amanteigado seco que eu comi no caminho pra estação e uma coca-cola que eu tomei metade antes de entrar no trem. Fora o imprevisto de quase não acordar o resto do dia foi bem proveitoso, como minha teoria de dormir 4 horas apenas fala. Eu até gosto da idéia, só que tem uns pequenos problemas: 1- acordar depois do 3º dia fazendo isso; 2- manter-se acordado para dormir apenas 4 horas; 3- aturar a estafa física. Mas o dia foi lucrativo em termos de aprendizado, e é o que tá contando por enquanto.
Putz, eu tenho uma sorte ímpar: nas proximidades do nosso colégio tem uma escola feminina de ensino médio. Sim, aquelas minas com roupas parecendo de anime, ou de hentai se preferirem, de monte num só lugar e sem macho por perto. E geral do nosso colégio iria passar a tarde lá conversando com as minas. Até aí é de boa, a parte triste é que tinham poucas vagas, eu não fui sorteado pra ir e pra completar o Leonardo (corvo) e o Diogo foram. Porra, é de ficar puto ver as fotos que nego tirou lá, mas pensando pelo lado bom, vamos esperar que os coleguinhas coloquem as minas na fita, uma vez que eu duvido muito que eles dêem conta de 100 gurias. Ah, para o pessoal que não foi, rolou um treino do exame de proficiência de japonês nível 4*. De certa forma eu fui bem, mandei 80%, mas tem que melhorar muito ainda. Se eu mantiver essa média para o nível 3 tá beleza, pena que não dá pra fazer a prova de todos os níveis, tu tem que escolher uma e só um ano depois que pode repetir o teste. Acabado o colégio, voltar pra casa.
As proximidades do nosso colégio são um tanto quanto estranhas, volta e meia tem alguma coisa estranha acontecendo. Hoje foi na linha de trem, quando mais uma dupla que perdeu no "verdade ou consequência" resolveu pagar a consequência: um dos caras, com um guarda-chuva fechado, levantou, ficou gritando umas coisas ininteligíveis com uma voz fina muito feia para o que tava sentado e jogou o guarda-chuva no chão com toda força. Não suficiente uma vez, repetiu os sons e jogou o guarda-chuva mais algumas vezes no chão, até que quebrou o cabo e a criança sossegou. Criança não, o cara devia ter uns 20 ou mais anos. Pra completar a tosquice, um outro cara ainda manda um espirro que mais parecia um "Áak!!!". COMO que eu consigo segurar o riso com uma coisa dessas? Os japas já tem a moral de mandar uns espirros escandalosos e engraçados e eu já acostumei com isso, mas volta e meia vem alguma coisa nova na área...
No dormitório rolou o básico: NFSU2 (dei uma adiantaaaaaaaada), fazer nada, ficar comendo e falando besteira na cozinha e depois subir para adiantar um pouco os textos do log. Não deu pra aguentar até muito tarde para o projeto de dormir apenas 4 horas. O sono megahipermotherfucker resolveu bater com força, tive que ceder e dormir 12:30. Será que amanhã vai render?

Exame de Proficiência de Língua Japonesa: são 4 níveis, o 1º é o mais complicado, cobrando uns 2000 kanjis, em seguida vem o 2º com 1000 kanjis, 3º com 300 e o 4º com 100 (se não me engano). E, claro, com gramáticas mais desenvolvidas proporcionalmente ao número de kanjis. É requisitado que no fim deste ano façamos a prova de nível 2. O mínimo é a 2, mas creio eu que minha turma não vai chegar ao ponto de dar o master no nível 2. E, claro, se não passar, Paulinho volta para o Brasil...

terça-feira, junho 14, 2005

14 - Pacotão da Alegria

Dormi bem, o que já me indicava que o rendimento de japonês iria ser demente. Mais uma vez fui autista para o colégio com o discman rolando um "NFSU2 soundtrack". Até que o período matutino não foi tão triste, mas meu kakitori deixou muito a desejar: esqueci 2 kanjis e ainda troquei mais 2, sem contar os eventuais erros de hiragana. Sem problemas, toca o sinal pro rango e vamo nessa! Teve carne de monstro com alguma coisa que eu não sei bem direito, mas até que tava bom. Como sempre, rolando um Wartran para relaxar. Agora já estamos ficando bem, se bem que eu sou o pior dos 3: o Corvo tá mandando bem, o Diogo é viciado, eu só mato geral no estilo Eufrazino, ou se preferirem no "american way of shooting". Aproveitei também pra mandar o mail pra Yukari, acho que ela deve ter entendido mal a minha atitude de domingo(ou entendeu bem demais, vai saber?).
Voltando ao colégio, desta vez sem anshobun para decorar depois do almoço, e começamos a aula. Incrível como o rendimento que parecia estar bom deu uma decaída sinistra em menos de 20 min. Eu parecia ter me tornado um lóide sem capacidade de raciocínio de uma hora para outra, como que por mágica. Minha sorte foi que tivemos um intervalo que deu para pagar um ronco massa, mas mesmo assim não ajudou. Fui salvo da leitura do livro, que por sinal estava cheia dos novos kanjis que eu não consegui memorizar em 50min de aula, pela aula de LL. Não que eu tenha sido salvo, porque o LL foi pior ainda, eu mal e mal entendia o que falavam naquela fita do inferno, mas no finalzinho comecei a pegar o jeito de novo.
Vencida mais uma etapa do colégio, hora de voltar pra casa. Como sempre, dando pala no trem, mas um pouco mais controlados, chegamos à Minami-senri, onde rolou a parada obrigatória pra fézinha. 200 ienes e um papel com 6 números, será que sai alguma coisa?
Ao chegar no dorm, finalmente a caixa do Brunoro chegou, e também um cartão postal da loja de mergulho que eu visitei na sexta. Foi engraçado ver uma caixa da ECT com altos "My Bitch" e "China véia" escritos na lateral sendo entregue pela tia da recepção. Okashii talvez defina a hora. Já rolou de assim que chegar no quarto abrir a caixa e começar a desmembrar os DVDs, agora passando pra CD o NFSU2 e o Premiere Pro. Os outros ficaram pra depois, mas já deu bastante diversão voltar a jogar Need e ver um pouco do filme do MIB que nós fizemos há um bom tempo atrás. Pra quebrar um pouco a alegria rolou a resposta do mail que eu tinha mandado de meio-dia, e a tradução sai algo mais ou menos assim: "Obrigada pelo chocolate, estavam gostosos. Estava um pouco ocupada (isogashikatta, flexão do maldito adjetivo para o passado) por isso não pude mandar um mail...". É, já era, deixa queto e ramunessa.
Momento relax entre os latinos, fomos bater um rango lá na cozinha e depois ficamos nadafazendo aqui no meu quarto, até que o Corvo mandou um peido escroto e dissipou a galera. Hijo de puta, cabrón malparido (como o próprio diria numa situação dessas). Morgação passa, vem a depressão de ter que fazer as coisas que tem que fazer. Como eu decidi testar na real se o fato de eu dormir pouco auxilia no japonês, sobrou um pouco de tempo para adiantar os textos deste log que eu estou devendo há muito e ainda dar uma mini-arrumada no quarto. Chapei com força depois.

segunda-feira, junho 13, 2005

13 - O silêncio que precede o toco

(deve estar meio estranho que eu escrevi achando que eu iria continuar escrevendo detalhadamente até chegar neste dia... a propósito, esse é o de um dia só)

Acabei dormindo apenas 3 horas para acabar tudo que tinha que fazer, e acabou sendo um dia bem desenvolvido em termos de japonês: rolaram piadas, tirar dúvidas e o escambau. O que me deixa na dúvida se eu fico bom em japonês por dormir pouco apenas, por tomar coca apenas, pela junção dos dois ou apenas por um acaso do destino eu fico bom nos dias que eu durmo pouco. Seu Kemps, se dedica a pesquisar isso depois cara, vai que dá dinheiro essa idéia? Ah, e por enquanto nada do mail da Yukari.
De meio dia, mais uma vez, rolou o Wartran na filosofia do 1 crédito apenas. Desta vez as miras de TODAS as armas estavam tronchas. Conseguimos convencer o cara da loja que tava trash e ele foi lá dar um help, e nesta hora entendemos o porquê que sai torto: o tio tinha a moral de mirar mais tosco que o Rambo atirando. E graças à nossa frequência na loja acabamos conseguindo o direito de calibrar as armas também, o que tornou o jogo beeeeeeeeeeeem mais relax. Meio dia e nada do mail ainda. Essas japas são estranhas, se tu dá bom-dia elas mandam um mail agradecendo 5min depois que tu vaza, se você dá um presente elas tocam o foda-se. Vontade de mandar alguma coisa não falta, mas vou dar tempo para a isogashii-girl processar a parada.
Volta, decorar anshobun como sempre, mais aula e acaba. Descendo em Minami-senri, sem o mínimo gás de ir pro dorm, fomos para o Jusco e pra Midori dar um rolé. O Diogo acabou comprando um ventilador com uma viadagem de "ion", 400 ienes a mais mas vinha com essa frescura. Se alguém souber que birosca é essa de ventilador com "ion", me manda um mail ou se pah até me liga que essa me deixou bolado. Um leve rango no Osmar (McD) e volta pra "estudar" um pouco. Claro que rolou um Half-life, bater um rango e depois sim estudar.
Como tinha pouca coisa, acabei cedo (12:00), só que o Diogo tava sem moral de estudar no quarto dele porque ele tava pagando ronco, e veio pro meu pra se obrigar a ficar acordado. Bele, aproveitei o ócio para redigir um mail pra Yukari, só que na idéia de mandar só amanhã. Fiz alguma coisa meio tosca, só que agora meus textos já saem com algum sentido. Dioguitz mandou a correção básica e deixei salvo pra enviar no outro dia, como já havia planejado.

Resumão até dia 13 de Junho





Ae galera! Faz tempo, foi mal. Eu acho que dizer que eu tô ocupado já é desculpa batida, né? Mas é o que rola, foi malz. Acho que pelo menos uma semana eu vou postar seguido, pois eu já tenho escrito uns 5 dias de Junho. Espero que alguém esteja lendo ainda, mesmo que isso tá sempre atrasado... Bom, se divirtam, e abraço galera!


Junho foi mais um mês divertido, como sempre, mais novidades na Terra do Sol Nascente. Continuamos a jogar Wartran (jogo de tiro que dá pra jogar até 4 pessoas). Entramos na época de chuvas, e pra começar bem no primeiro dia de chuva eu esqueci o bendito guarda-chuva. Não obstante esquecer, ainda fui dar uma de gostoso e não peguei carona no guarda-chuva da professora gata de terça-feira. Em compensação, na volta peguei carona com uma com uma amiga gata, o que me levou a cogitar "esquecer" mais vezes o guarda-chuva. Meu PC finalmente chegou, e eu dei uma arrumada no quarto. Pra deixar o PC pronto pra uso, resolvi matar o "Let't Talk in Japanese" (o que depois acabou virando uma desistência total, bundei MESMO). Fui treinar skate um dia de noite e tomei o meu primeiro tabaco, claro, na hora que eu tinha tirado a proteção. Vai babaca, vai!
Sábado (04), niver da minha mãe, resolvi agitar um cartão telefônico internacional. O que me impedia de sair de casa foi uma chuva de granizo, mas felizmente tinha passado. Tive que ir e voltar umas 3 vezes ao Lawson (uma conbini aqui perto) pra poder agitar o dito cujo. Mandei os parebéns e chapei na cama.
Domingão, como a vida de solteiro longe da família manda, trabalhos do lar a fazer. Neste momento eu consigo imaginar é Dona Sandra (vulgo: mãe) rindo e pensando "agora tu sabe como é né?". Mas como não tem muita escolha, sobrou uma mega-lavada de roupa pra fazer. Por sorte tava rolando uma espécie de concerto de kokoseis (kokosei = estudante do segundo grau). Minha quest rolou um bônus: a Yukari tava lá no mercado de meio dia (?). Bom, anyway, rolou uma conversa até di boa. Fui fazer umas barras no parque de tarde e pra completar o dia tinha uns cinco cops tirando foto do guard-rail ou alguma coisa que eu REALMENTE não consegui entender o que era. Falta de ladrão dá nisso...
Seguindo a semana, o Diogo deu início à "guerra tecnológica" entre nós. Resolveu comprar uma caixa de som 5.1. Ganhou de bônus a primeira reclamação de "som alto" vinda do pessoal do Office. Completando nossos 3 meses, eu, o Diogo e o Corvo (ou "Colômbia", ou até mesmo "Leonardo") acabamos dando uma espécie de freak-out de noite graças à rotina puxada. Descobri que a Yukari só ia trabalhar mais três dias lá no mercado, o que me levou a ter que adiantar mais meus procedimentos. O Brasil ainda perdeu pra Argentina nas eliminatórias (mas sorte não ter nenhum argentino por aqui, ou tem?). Voltando à "Yukari-quest", sexta-feira, T-menos-2-dias, estava a sair que nem um nerd do mercado quando resolvi deixar de ser (tão) bundão:
-Vem cá, você vai fazer alguma coisa depois que sair daqui?
-Não...
-Já jantou?
-Não...
-Que tal sairmos pra jantar?
Tá, vou resumir que isso ocupa muito espaço. Ela aceitou, marcamos de se encontrar depois do trampo na frente do mercado. Não deu em nada, que ela tinha que voltar pra casa que não tinha avisado com antecedência, mas remarcou pro dia seguinte. Trocamos mais uma idéia e cada um pro seu canto.
Saímos no outro dia (sábado-11). Talvez minha falta de habilidade com o japa tenha ajudado, mas não peguei. Serviu pra conhecer as redondezas, comer uma macarronada boa (que fazia tempo que eu não comia), andar e exercitar o japonês. Pelo menos faturei um abraço na hora de sair. Antes que venham me zoar, é uma coisa meio que "próxima de sexo" conseguir um abraço de uma japa... as minas mal pegam na sua mão! De qualquer modo, sou brasileiro, não desisto nunca.
Dia 12, dia dos namorados no Brasil. Pretexto pra jogar um kaô. O Diogo, que também estava arrozando uma mina, deu a idéia de aloprarmos de vez. Compramos uma caixa de chocolates (que, nossa, eram bons. mas eu sinto falta dos "kemper's haus) e ficamos de cumprir a missão de dar o chocolate e dizer a razão, pelo menos. Missão dada é missão cumprida: entreguei a caixa de bombons. O colômbia tava comigo, só que ficou no mercado mais tempo. Disse que a mina deu aquelas palas de anime (quando ficam felizes) logo depois que eu saí. Será que marquei ponto?

Fotos: Eu e a Yukari (achei essa foto meio estranha, mas foda-se, é pra vocês saberem quem é); Banda de Kokoseis, só mulher, ô coisa ruim esse Japão...; André (da Indonésia), Colômbia (do Leonardo), Sim (do Palau) e Eu (do Brasil); Diogo com o pau na boca (é uma flauta japonesa feita de bambu, conhecida popularmente como "pau");