segunda-feira, junho 13, 2005

Resumão até dia 13 de Junho





Ae galera! Faz tempo, foi mal. Eu acho que dizer que eu tô ocupado já é desculpa batida, né? Mas é o que rola, foi malz. Acho que pelo menos uma semana eu vou postar seguido, pois eu já tenho escrito uns 5 dias de Junho. Espero que alguém esteja lendo ainda, mesmo que isso tá sempre atrasado... Bom, se divirtam, e abraço galera!


Junho foi mais um mês divertido, como sempre, mais novidades na Terra do Sol Nascente. Continuamos a jogar Wartran (jogo de tiro que dá pra jogar até 4 pessoas). Entramos na época de chuvas, e pra começar bem no primeiro dia de chuva eu esqueci o bendito guarda-chuva. Não obstante esquecer, ainda fui dar uma de gostoso e não peguei carona no guarda-chuva da professora gata de terça-feira. Em compensação, na volta peguei carona com uma com uma amiga gata, o que me levou a cogitar "esquecer" mais vezes o guarda-chuva. Meu PC finalmente chegou, e eu dei uma arrumada no quarto. Pra deixar o PC pronto pra uso, resolvi matar o "Let't Talk in Japanese" (o que depois acabou virando uma desistência total, bundei MESMO). Fui treinar skate um dia de noite e tomei o meu primeiro tabaco, claro, na hora que eu tinha tirado a proteção. Vai babaca, vai!
Sábado (04), niver da minha mãe, resolvi agitar um cartão telefônico internacional. O que me impedia de sair de casa foi uma chuva de granizo, mas felizmente tinha passado. Tive que ir e voltar umas 3 vezes ao Lawson (uma conbini aqui perto) pra poder agitar o dito cujo. Mandei os parebéns e chapei na cama.
Domingão, como a vida de solteiro longe da família manda, trabalhos do lar a fazer. Neste momento eu consigo imaginar é Dona Sandra (vulgo: mãe) rindo e pensando "agora tu sabe como é né?". Mas como não tem muita escolha, sobrou uma mega-lavada de roupa pra fazer. Por sorte tava rolando uma espécie de concerto de kokoseis (kokosei = estudante do segundo grau). Minha quest rolou um bônus: a Yukari tava lá no mercado de meio dia (?). Bom, anyway, rolou uma conversa até di boa. Fui fazer umas barras no parque de tarde e pra completar o dia tinha uns cinco cops tirando foto do guard-rail ou alguma coisa que eu REALMENTE não consegui entender o que era. Falta de ladrão dá nisso...
Seguindo a semana, o Diogo deu início à "guerra tecnológica" entre nós. Resolveu comprar uma caixa de som 5.1. Ganhou de bônus a primeira reclamação de "som alto" vinda do pessoal do Office. Completando nossos 3 meses, eu, o Diogo e o Corvo (ou "Colômbia", ou até mesmo "Leonardo") acabamos dando uma espécie de freak-out de noite graças à rotina puxada. Descobri que a Yukari só ia trabalhar mais três dias lá no mercado, o que me levou a ter que adiantar mais meus procedimentos. O Brasil ainda perdeu pra Argentina nas eliminatórias (mas sorte não ter nenhum argentino por aqui, ou tem?). Voltando à "Yukari-quest", sexta-feira, T-menos-2-dias, estava a sair que nem um nerd do mercado quando resolvi deixar de ser (tão) bundão:
-Vem cá, você vai fazer alguma coisa depois que sair daqui?
-Não...
-Já jantou?
-Não...
-Que tal sairmos pra jantar?
Tá, vou resumir que isso ocupa muito espaço. Ela aceitou, marcamos de se encontrar depois do trampo na frente do mercado. Não deu em nada, que ela tinha que voltar pra casa que não tinha avisado com antecedência, mas remarcou pro dia seguinte. Trocamos mais uma idéia e cada um pro seu canto.
Saímos no outro dia (sábado-11). Talvez minha falta de habilidade com o japa tenha ajudado, mas não peguei. Serviu pra conhecer as redondezas, comer uma macarronada boa (que fazia tempo que eu não comia), andar e exercitar o japonês. Pelo menos faturei um abraço na hora de sair. Antes que venham me zoar, é uma coisa meio que "próxima de sexo" conseguir um abraço de uma japa... as minas mal pegam na sua mão! De qualquer modo, sou brasileiro, não desisto nunca.
Dia 12, dia dos namorados no Brasil. Pretexto pra jogar um kaô. O Diogo, que também estava arrozando uma mina, deu a idéia de aloprarmos de vez. Compramos uma caixa de chocolates (que, nossa, eram bons. mas eu sinto falta dos "kemper's haus) e ficamos de cumprir a missão de dar o chocolate e dizer a razão, pelo menos. Missão dada é missão cumprida: entreguei a caixa de bombons. O colômbia tava comigo, só que ficou no mercado mais tempo. Disse que a mina deu aquelas palas de anime (quando ficam felizes) logo depois que eu saí. Será que marquei ponto?

Fotos: Eu e a Yukari (achei essa foto meio estranha, mas foda-se, é pra vocês saberem quem é); Banda de Kokoseis, só mulher, ô coisa ruim esse Japão...; André (da Indonésia), Colômbia (do Leonardo), Sim (do Palau) e Eu (do Brasil); Diogo com o pau na boca (é uma flauta japonesa feita de bambu, conhecida popularmente como "pau");

3 comentários:

Claus disse...

Fala rapaz!

"The plot thickens", rsrs... ve se posta o resto do mes de junho ate eu voltar de viagem de okinawa, pia :-)

Abracao!

alê disse...

MULEKE que guria linda!!! tá aprovada pra ser minha cunhada =D não desiste dela não hein!
pow... passei mal de rir do seu post, vc tem um jeito muito comédia de contar o dia a dia!
saudades...
beijos!

Sandra Kemper disse...

Que felicidade ler de novo as tuas aventuras!!!! Estava com saudades. Apesar de falarmos por telefone ontem, é muito divertido ler a saga de PKF no Japão.
Obrigada pelo esforço em comprar o cartão telefônico e ligar no meu niver. Foi estranho ver no visor do celular quem estava ligando: 00000000000000000000000. Fiquei emocionada em ouvir tua voz.
Vixe!!! Isso é bem coisa de mãe.
Um grande beijo meu filhinho.

Sandra Kemper